Principal Política Barack Obama e Vladimir Putin lutam no palco mundial

Barack Obama e Vladimir Putin lutam no palco mundial

Presidente Barack Obama hoje. (Foto: Chip Somodevilla / Getty Images)



NAÇÕES UNIDAS- O Braganca esteve na 70ª Assembleia Geral Anual das Nações Unidas hoje, obedientemente tomando notas em uma galeria de imprensa muito lotada. Alguns dos maiores rebatedores do mundo, incluindo o presidente Barack Obama, o presidente russo Vladimir Putin, o presidente chinês Xi Jinping, a presidente brasileira Dilma Rousseff e o presidente iraniano Hassan Rouhani subiram ao palco.

Aqui está um rápido resumo do que aconteceu:

1. Barack Obama não teve medo de se confundir com a Rússia e a Síria.

O presidente Obama falou antes de Vladimir Putin, o presidente russo, e disparou várias salvas antes que os dois líderes poderosos se encontrassem a portas fechadas. Obama criticou a Rússia por defender a Síria e seu presidente ditatorial, Bashar al-Assad, que é acusado de matar milhares de seu próprio povo e estimular uma crise global de refugiados. Correntes perigosas correm o risco de nos puxar de volta a um mundo mais escuro e desordenado, disse Obama. De acordo com essa lógica, devemos apoiar tiranos como Bashar al-Assad, que lança bombas para massacrar civis inocentes porque a alternativa é certamente pior. Ele também disse sobre o líder sírio: Assad reagiu aos protestos pacíficos aumentando a repressão e matando que, por sua vez, criaram o ambiente para o conflito atual. E assim Assad e seus aliados não podem simplesmente pacificar a ampla maioria da população que foi brutalizada por armas químicas e bombardeios indiscriminados.

Sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, Obama foi igualmente contundente. Considere a anexação da Crimeia pela Rússia e novas agressões no leste da Ucrânia, disse ele. A América tem poucos interesses econômicos na Ucrânia. Reconhecemos a história profunda e complexa entre a Rússia e a Ucrânia. Mas não podemos ficar parados quando a soberania e a integridade territorial de uma nação são flagrantemente violadas.

2. Vladimir Putin não veio para jogar bonito.

O primeiro-ministro russo, recém saído de um 60 minutos entrevista na qual ele ajustou os Estados Unidos em tudo, da Ucrânia a Ferguson, saiu balançando. Ele repreendeu o presidente Obama e os Estados Unidos por criticar a Síria, um oponente do Estado Islâmico, e pressionar por revoluções no Oriente Médio que, aos olhos de Putin, apenas geraram mais instabilidade. Veja o Oriente Médio e o Norte da África. Certamente, os problemas políticos e sociais estavam se acumulando. As pessoas desejavam mudanças, mas como isso realmente aconteceu? Em vez de promover reformas, a interferência vigorosa resultou na destruição descarada das instituições nacionais que, por sua vez, levou à violência, pobreza e desastre social, acusou ele. Putin disse que foi um erro enorme não cooperar com a Síria em uma guerra contra o ISIS.

O ISIS surgiu, argumentou Putin hoje, por meio de vácuos de poder criados pelas ações dos Estados Unidos no exterior. Esses vácuos estão apenas piorando a crise dos refugiados, afirmou ele. Eu gostaria de enfatizar que os refugiados precisam de nossa compaixão e apoio. No entanto, a única maneira de resolver isso em um nível fundamental é restaurar o estado onde ele foi destruído. Ele se irritou com a presença da OTAN na Europa Oriental e até sugeriu a criação de uma ampla coalizão internacional para combater o ISIS, sugerindo que poderia fazer isso sem a ajuda de Obama. Na Ucrânia, Putin reiterou sua posição de que uma revolta foi orquestrada de fora, apesar da alegação dos Estados Unidos em contrário, e defendeu o papel da Rússia na anexação do país.

3. No Irã, algumas coisas mudam e outras permanecem as mesmas.

Depois que os Estados Unidos e o Irã, junto com várias outras potências mundiais, negociaram um acordo histórico para limitar as capacidades de armas nucleares do Irã em troca do levantamento das sanções econômicas, muitos conservadores em ambos os países criticaram o acordo como um acordo com o diabo. Mas o Congresso falhou em inviabilizar o acordo, conhecido como Plano de Ação Global Conjunto, e a comunidade internacional o saudou como um passo em direção à cooperação pacífica entre dois países que tradicionalmente se insultavam.

Depois que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, elogiou o acordo esta manhã, Rouhani subiu ao palco para oferecer palavras gentis - mas não antes de castigar algumas nações rivais. Ele criticou a Arábia Saudita por sua incompetência em não evitar uma debandada mortal em Meca que matou mais de 700 pessoas. Ele atacou Israel, que ele chamou de regime sionista, por supostamente impedir que o sonho da ONU de desarmamento nuclear se tornasse realidade. Ele culpou parcialmente Israel e os Estados Unidos pela ascensão do ISIS. Se não tivéssemos a invasão militar dos Estados Unidos do Iraque e do Afeganistão e o apoio injustificado ao regime sionista, os terroristas de hoje não teriam uma desculpa para justificar seus crimes.

Ele disse que seu país nunca teve a intenção de buscar o desenvolvimento de armas nucleares e negou que sanções econômicas paralisantes o trouxeram à mesa de negociações. Hoje o Irã está olhando para o futuro. Não vamos esquecer o passado, disse ele. Não queremos viver no passado. Não esqueceremos a guerra e as sanções, mas olhamos para a paz e o desenvolvimento.

A história foi atualizada para refletir que Putin é o presidente, não o primeiro-ministro.

Artigos Interessantes