Principal Televisão Bill Pullman em ‘The Sinner’, Haitian Voodoo e Wooing Mel Brooks

Bill Pullman em ‘The Sinner’, Haitian Voodoo e Wooing Mel Brooks

Bill Pullman, que estrela nos EUA O pecador. Kaitlyn Flannagan para Braganca; Filmado em locações na 350 West 14th Street, Apt PHE listado com Gill Chowdhury of Warburg Realty



Bill Pullman atua profissionalmente há mais de 30 anos, tendo acumulado quase 100 créditos em cinema, televisão e teatro. Sua carreira, que incluiu papéis em paródias ( Bolas espaciais ), comédias românticas ( Sem dormir em Seattle ), sucessos de bilheteria ( Dia da Independência ) e faroestes ( Wyatt Earp ) —Nunca pode ser plotado ordenadamente em um eixo X ou Y. Ele sempre foi curioso, movido por seu gosto eclético.

Com um currículo que oscilou entre o excêntrico e o mainstream, o projeto mais recente do ator, O pecador, se estabelece em algum lugar no meio. A série de antologia de crime whydunnit, que examina o que motiva pessoas comuns a cometer crimes brutais, lentamente se tornou uma vitória crítica para a metamorfose da rede dos EUA, à medida que o canal a cabo deixa para trás seu Lei e ordem repita a história para algo mais sintonizado com os gostos do público da Peak TV. Nesse sentido, Pullman, que interpreta o detetive Harry Ambrose, está esperando o show pode terminar sua segunda temporada com um final tão chocante e satisfatório quanto o de sua primeira temporada.

Aqui, Pullman fala sobre as mudanças da 2ª temporada, transformando Carrie Coon no vodu e como ele impressionou Mel Brooks para conseguir seu papel em Spaceballs.

Quais elementos você deseja transportar da primeira temporada de O pecador no segundo?

Não havia um plano de jogo para fazer uma segunda temporada, então se falou muito de um outro conjunto de atores fazendo outra história, como American Crime Story. Conversamos sobre se Jessica [Biel, da 1ª temporada] voltaria ou se eu começaria e ela voltaria - muitas mudanças diferentes. Uma vez que ficou claro que Ambrose estava voltando para sua cidade natal no estado de Nova York, o pensamento de muitos personagens significava que as coisas poderiam ficar difíceis de controlar. Mas, em vez disso, deu ao show uma grande energia, porque Ambrose podia virar em qualquer direção e havia conflito. Achei isso importante. Esta temporada também acompanha as mulheres de uma maneira diferente. Jessica liderou o caminho na primeira temporada, mas há papéis femininos fortes agora: a personagem de Carrie Coon, Vera; Hannah Gross ’Marin; Heather de Natalie Paul. A certa altura achei que eram muitos personagens, mas são todos tão distintos e trazem um aspecto diferente para a história.

Um grande tema da 1ª temporada foi o trauma compartilhado, conectando-se com outra pessoa que passou por algo semelhante. Qual você diria que é o tema central da 2ª temporada?

A sensação de ter passado por um momento crítico em sua vida e ter entrado em colapso naquele momento, e então como você reconhece isso ou não? Com a personagem de Marin, você se pergunta o que aconteceu lá e percebe que ela teve um colapso do qual foi muito difícil se recuperar. Vera teve um colapso de sua autoridade pessoal e Natalie teve um colapso. Todo mundo está procurando possuí-lo e descobrir como se recuperar.

Como foi trabalhar com Jessica Biel na primeira temporada e Carrie Coon dessa vez?

Eles são verdadeiros troupers. Indo para esses tipos de personagens, você tem coisas realmente incríveis a realizar. Eu penso naquela cena que Carrie tem quando está sozinha com a pedra. Isso poderia ter ocorrido em várias direções. Eu não estava lá, só me lembro de ter lido, mas ela tinha várias opções de como fazer isso, e me lembro de mandar um link para um filme sobre ... Você já ouviu falar de Maya Deren? Ela era uma documentarista que foi ao Haiti nos anos 50 e foi iniciada nas tribos vodu de lá e fez um pedaço de filme [ Cavaleiros divinos: os deuses vivos do Haiti ] e parecia fugir com algum mistério. O que aconteceu com ela lá embaixo? Carrie encontrou um lugar brilhante para estar, eu acho, nessa cena.

Você teve uma tonelada de papéis e atravessou o mundo do entretenimento. Pelo que você é mais conhecido?

Acho que sempre fui reconhecido como americano. Há algo sobre os personagens que eu interpretei. Quer sejam torturados, heróicos, confusos, preocupados, todas essas coisas, parece que há algum aspecto, alguma fibra deles que parece muito americano. Não sei o que é, mas há uma conexão maior com o que é a ideia de país. Bill Pullman.Kaitlyn Flannagan para Braganca; Filmado em locações na 350 West 14th Street, Apt PHE listado com Gill Chowdhury of Warburg Realty



Bolas espaciais [de 1987] foi apenas seu segundo filme. Como foi trabalhar com Mel Brooks tão cedo na sua carreira?

Fiquei muito lisonjeado por ele ter me aceitado. Ele veio para ver uma peça em que eu participava. Era uma adaptação muito obscura de uma história bíblica sobre Barnabé, e tínhamos um diretor norueguês, e ele fez esse tipo de representação de vanguarda, e Mel e [seu então esposa] Anne Bancroft veio. Eu nunca fiz o teste para o filme - ele apenas me contratou.

Bem no local?

Sim.

Isso é inacreditavel.

Bem, ele pensou muito sobre isso. Ele me viu na peça. Ele disse, eu tentei ir para um Tom - Tom Hanks, Tom Cruise - e eu consegui um Bill.

Essa é uma resposta muito Brooksiana. Última pergunta: se você pudesse jantar com um personagem do filme, quem seria e por quê?

Acho que Thomas E. Lawrence. Ele é um filósofo em alguns aspectos e um aventureiro. Lawrence da Arábia é um ótimo filme.

O final da 2ª temporada de O pecador vai ao ar em 19 de setembro às 22h EST nos EUA.

Esta entrevista foi editada e condensada .



Artigos Interessantes