Principal Pessoa / Bill-Clinton Mulher esquecida de Bill - eu te dou Paula Jones

Mulher esquecida de Bill - eu te dou Paula Jones

WASHINGTON-Ela sempre foi uma mulher inconveniente; ela agora está se tornando rapidamente a mulher esquecida do caso. Ela não estava aqui para o julgamento do Senado, mas me peguei pensando nela enquanto voltava para casa do drone. Ela não está fazendo a cena, embora seu ato de desafio tenha criado a cena. Paula Jones não está na lista de testemunhas de última hora que os promotores do julgamento de impeachment querem chamar, como Monica Lewinsky está. Seu caso, sua alegação de assédio sexual, foi eliminado dos artigos de impeachment, persiste neles apenas em uma vida após a morte fantasmagórica em depoimentos sobre testemunhos, em acusações de mentiras sobre mentiras. O caso dela desapareceu do sistema judicial em um acordo ambíguo, existe agora apenas em uma espécie de estado virtual semelhante ao de um catalisador que desencadeia uma reação química, mas desaparece do composto resultante.

E, além disso, ela é considerada de alguma forma muito vergonhosa, muito déclassé: embora tenha sido ela quem rejeitou os avanços desprezíveis que Monica provocou e acolheu, ela não se vestia com Donna Karan e, portanto, ela é a única condenada como lixo.

Então ela se tornou uma espécie de convidada indesejada no banquete da mídia, uma presença fantasma não dita na câmara do Senado enquanto os argumentos prosseguiam. Não está na moda falar dela ou levar sua afirmação a sério; nunca foi. Era tão fácil dispensá-la: primeiro era o nariz, depois a plástica no nariz, e sempre havia seu sibilar nasalado. Então foram seus aliados: uma mulher sem meios de sustento enfrentando o homem mais poderoso do mundo, e ela na verdade recebeu ajuda de pessoas que se opunham a ele! Quel scandale! O New York Times realmente apareceu na primeira página no último domingo, 24 de janeiro - como se fosse um terrível e sinistro segredo - a revelação não tão nova de que seus advogados obtiveram ajuda de outros advogados que não gostavam do presidente! O presidente tem todo o Departamento de Justiça carregando água para ele, e os advogados dessa mulher aceitaram os conselhos de outros advogados! O Times tem os registros de cobrança malditos para provar isso! Agora sabemos! Foi um escândalo sinistro que Anita Hill conseguiu ajuda? Apenas uma cultura de mídia que deslegitimou reflexivamente o caso de Paula Jones, sua afirmação, seu próprio ser desde o início, consideraria isso um escândalo de primeira página.

O caso da Sra. Jones, sua afirmação de que Bill Clinton se expôs a ela, encontra apenas um eco na defesa meretrícia de Clinton por Dale Bumpers, que, a propósito, foi talvez a declaração mais superestimada na história da oratória pública , o elogio extático que depois pareceu um esforço desesperado para validar o aumento indiscriminado e inquestionável que a mídia deu a Bumpers de antemão como um exemplo da grandeza oratória do Senado. Foi um discurso cuja concatenação de clichês de milho-pone, um discurso cujo exibicionismo autocomplacente (eu pratiquei direito nesta pequena cidade por 18 anos. Quem se importa?) Demonstrou os padrões chocantemente baixos de grandeza que subsistem na Câmara do Senado dos EUA. Era a roupa nova do imperador para a oratória política.

Mas o caso dela, a afirmação dela, teve um leve eco em uma das afirmações exageradas do Sr. Bumpers, sua afirmação de que ele pode atestar a propriedade essencial de Bill Clinton: O presidente e eu estivemos juntos centenas de vezes em desfiles, dedicatórias, política eventos, eventos sociais. E em todos esses anos e em todas as centenas de vezes em que estivemos juntos, tanto em público como em privado, nunca vi o presidente se comportar de uma forma que não refletisse o maior crédito para ele, seu família, seu estado e sua amada nação.

Foi uma tentativa de resolver o desconforto subjacente a Clinton que manteve o caso vivo. O mal-estar com a possibilidade de que, além de um tipo conhecido de mulherengo, seja algo muito mais feio: o tipo de chefe que se expõe aos subordinados.

Esse é o subtexto da afirmação do Sr. Bumpers de que em todas as centenas de vezes em que estivemos juntos, o Sr. Clinton se comportou: em outras palavras, porque ele não tirou o pau dele e o agitou no Sr. Bumpers ' rosto e dizer a ele para beijá-lo durante suas centenas de vezes (como a Sra. Jones alegou que o Sr. Clinton fez com ela), o Sr. Clinton deve ser um modelo de virtude moral em que cada ato reflete o maior crédito sobre ele. Mas o Sr. Bumpers é um grande orador, todo mundo diz isso, e a Sra. Jones é o que, senão lixo de trailer, então tão fácil de rir, sua afirmação tão fácil de desacreditar. Tão fácil para as mulheres poderosas entre os apologistas de Clinton (mas nem todas as feministas, felizmente) rejeitar. Mesmo se a história que a Sra. Jones conta fosse verdadeira, eles nos contaram, não importaria porque chefes homens poderosos deveriam ser capazes de se expor a funcionárias impotentes sem penalidades, contanto que colocassem de volta nas calças quando for indesejável.

E depois vem a insinuação, ora sussurrada, ora implícita no que está escrito: Porque ela usava menos do que minissaia elegante e não tinha um cabeleireiro chique de plantão, deve ter convidado, deve ter querido, não teria não teria subido para aquele quarto de hotel, a menos que estivesse de alguma forma esperando que o governador, de uma forma ou de outra, se exporia a ela. Repetidamente, interpretações elaboradas de seus motivos são imputadas, substituídas por uma interpretação cética das negações de Clinton.

Porque é - aparentemente nesses círculos - menos importante ser para a aplicação estrita das leis de assédio sexual do que apoiar Clinton - e receber, como adereços, aqueles lindos convites para almoços na Casa Branca e aqueles bate-papos sinceros e confidenciais com a primeira-dama . Quem obtém respeito como a Primeira Vítima, enquanto a mulher que pode ser a verdadeira primeira vítima do Presidente (a primeira a se atrever a falar) se torna uma não-pessoa. Ela tem desaparecido assiduamente, como dizem, dos argumentos dos defensores de Clinton, em um jogo de mentira exemplificado pelo mantra interminavelmente repetido de que todo o imbróglio do impeachment é uma inquisição puritana em um ato de sexo consensual - tornando o escândalo todo sobre a Sra. Lewinsky. E elidindo ao nada Paula Jones, cuja reivindicação era por um ato de assédio sexual não consensual. E em outro triunfo do sofisma, você ouve repetidamente no julgamento do Senado - os advogados do presidente continuam repetindo com repulsiva dissimulação - que um juiz federal rejeitou a alegação da Sra. Jones por não ter mérito legal. Ignorando o fato de que o juiz não rejeitou sua afirmação como falsa. Longe disso, ela encerrou o caso por motivos técnicos porque Jones não conseguiu provar que foi negada a promoção por resistir aos avanços de Clinton - uma interpretação tensa e enfraquecedora da lei de assédio sexual logo em seguida, repudiada por um tribunal federal de apelações, um rejeição de que os defensores pró-feministas de Clinton deveriam ter levantado protestos. Mas, em vez disso, seus defensores tentam transformar a demissão por motivos técnicos em uma negação da verdade da história que Jones contou.

Até mesmo os oponentes de Clinton parecem negar, rejeitar, a importância dessa mulher estranha e sua reivindicação. Houve poucos momentos de eloqüência exibida pelos promotores de impeachment da Câmara (e deixe-me deixar claro, para aqueles que perderam meu despacho anterior de Washington, que não tenho nenhuma petição para os promotores de impeachment da Câmara, que estão inexoravelmente maculados por sua recusa em repudiar o deputado As conexões de Bob Barr e do senador Trent Lott com o Conselho de Cidadãos Conservadores da supremacia branca, o CCC. Como eu disse na semana passada, o CCC é o vestido manchado dos oponentes de Clinton.) Ainda assim, em um daqueles poucos momentos de eloqüência, O deputado Lindsey Graham fez a pergunta certa, mas a baseou na premissa errada. A premissa do Sr. Graham era que o Senado precisava prestar muita atenção à natureza dos equívocos do Sr. Clinton sob juramento (sobre questões como se ele pediu a Betty Currie para esconder os presentes debaixo da cama) porque você precisa saber quem é o seu presidente .

Absolutamente certo: essa é a verdadeira questão, quem é o presidente - ou a questão mais profunda. Mas não é uma questão que será respondida pelas questões probatórias perante o Senado no julgamento de impeachment, se os equívocos de que ele é acusado nos artigos de impeachment se encaixam ou não na definição de crimes graves e contravenções na Constituição. (Eu diria que provavelmente não. Embora não seja difícil de qualquer maneira, e devo admitir que se o presidente no banco dos réus fosse Richard Nixon e as acusações - perjúrio e obstrução da justiça - fossem as mesmas, independentemente de sua origem, eu provavelmente estaria argumentando que Nixon deveria ser expulso por eles. E eu acho que aqueles apoiadores de Clinton que não reconhecem o duplo padrão que estão usando para dar a Clinton um passe estão negligenciando o perigo real de ao diminuir tanta folga para o comportamento do Sr. Clinton agora, eles estão cortando folga também para o próximo presidente de que não gostam - tornando possível para o próximo Richard Nixon, digamos, escapar impune de um assassinato.)

Mas poderíamos analisar os equívocos do Sr. Clinton sobre sua relação sexual consensual (embora pateticamente exploradora) com a Sra. Lewinsky para sempre, e isso não nos dirá nada sobre quem o presidente realmente é. Não é algo que ainda não sabemos. Já sabíamos que o Sr. Clinton era um mulherengo compulsivo que mentia e tentava esconder seus casos de sua esposa e de seus inimigos com palavrões em testemunho juramentado. E podemos, alguns de nós, pensar que isso não é grande coisa em comparação com a intolerância sexual puritana e a tolerância imperdoável ao racismo de seus oponentes mais fanáticos.

Sim, já sabemos que ele é um desleixado, mas a afirmação da Sra. Jones pode nos dizer algo diferente, algo mais sombrio, sobre quem é o presidente. Seja ele não apenas um mulherengo, mas um assediador sexual, um chefe predatório que se expôs a uma funcionária e depois usou ameaças para silenciá-la (você é uma garota inteligente; vamos manter isso entre nós).

Ele se desculpou pelo mulherengo repetidamente e chorando - uma vez que o vestido manchado o forçou a admitir, de qualquer maneira; até então, o plano era apenas vencer, mentir e difamar a mulher em questão. Mas ele não se desculpou com Paula Jones. Talvez seja porque ele não lhe deve um pedido de desculpas, talvez porque nunca aconteceu da maneira que ela disse que aconteceu. Mas pode ser que ele não se desculpe porque a afirmação dela é verdadeira e porque nos diz mais sobre quem é o presidente do que ele pode nos permitir. É a única coisa que pode deixar até mesmo seus apologistas e facilitadores mais pateticamente leais desconfortáveis. Porque habilitar um mulherengo é meio compreensível, mas habilitar um assediador sexual torna os habilitadores menos vítimas da infeliz queda de uma falha humana do que co-conspiradores com um predador.

Determinar a verdade ou falsidade da alegação da Sra. Jones pode nos dizer algo que não sabemos com certeza sobre quem é o presidente. E é aqui que encontramos a verdadeira analogia entre a situação de Clinton e a crise de impeachment de Nixon. A reclamação da Sra. Jones ocupa o mesmo status original na crise de Clinton que a questão da quebra de ordem no escândalo de Nixon Watergate - é uma questão de quem o presidente realmente é.

A questão do pedido de invasão de Nixon: Para aqueles que perderam a coluna que dediquei a essa controvérsia histórica vergonhosamente não examinada [O grande mistério não resolvido de Nixon: ele pediu invasão de Watergate? 11 de janeiro], você ainda deve se lembrar que os artigos de impeachment redigidos pelo Comitê Judiciário da Câmara em 1974 contra Nixon não o acusavam de ordenar a invasão de Watergate, mas apenas de encobri-la depois. A fita fumegante que o tirou do cargo não ligava Nixon a uma ordem de arrombamento, mas ao encobrimento posterior. E em todas as suas confissões e mea culpa s desde então, Nixon admitiu o encobrimento depois, mas negou até o dia de sua morte que ordenou a invasão. Os historiadores tendem a aceitar a negação de Nixon como um elemento essencial de quem era o presidente - sofisticado demais para ordenar um crime violento como esse, meramente preso no encobrimento depois para evitar que seus subordinados leais o embaraçassem ainda mais (como eu indiquei em minha coluna de 11 de janeiro, novas fitas minam essa negação).

Nixon foi sincero conosco ao finalmente admitir o encobrimento, ou ele levou um segredo sujo, a quebra de ordem - uma mentira definitiva - para o túmulo? A resposta a isso nos diria muito mais do que podemos dizer com certeza sobre quem Nixon realmente foi. Da mesma forma, o Sr. Clinton confessou inúmeras vezes que mentiu ou, pelo menos, enganou o povo americano e vários processos judiciais sobre seu caso com a Sra. Lewinsky, mas ele vai, eu suspeito, até o dia da morte negar que se expôs à Sra. Jones. Ele pode estar falando a verdade, pelo que sabemos, mas não sabemos. E a verdade pode nos dizer mais do que sabemos - ou, para alguns, mais do que querem saber - sobre quem é Bill Clinton.

Não vou dizer que é determinante, mas é pelo menos interessante que, ao lidar com essa alegação, a origem de todo o imbróglio do impeachment torturado (embora tenha sido apagado dos artigos reais), o Sr. Clinton exibe a mesma afronta ostensiva e ferida que Nixon negou que ordenou a invasão de Watergate. Nixon ficou chocado, chocado quando soube do assalto, manteve do princípio ao fim. E o Sr. Clinton ficou tão chocado e indignado com a injustiça e persistência da afirmação da Sra. Jones que a justificou por mentir sobre a Sra. Lewinsky.

Não estou inventando: há um momento incrível no depoimento do grande júri de Clinton em agosto, em que ele explicou aos jurados que mentiu (ou estava enganando) sobre seu caso com a Sra. Lewinsky em seu depoimento no Paula Jones caso porque ele estava tão irritado com a persistência da Sra. Jones e a forma como a equipe jurídica de Jones estava perseguindo sua reivindicação para fins políticos - quando eles sabiam o quão fraco era seu caso, quando eles sabiam quais eram as nossas provas - que ele não iria dar a eles nenhuma informação colateral verdadeira para ajudar a persegui-lo por causa dessa falsidade. Claro, ele não sai e diz que a alegação da Sra. Jones era falsa; ele apenas diz que o caso era fraco - o tipo de reclamação que aprendemos a prestar atenção a um presidente que é tão meticuloso sobre o significado de 'é'. (Imagine como seria divertido ridicularizar essa linha dos liberais se Nixon tentasse nos impingir isso.)

O Sr. Clinton, mais do que qualquer pessoa no mundo (exceto a Sra. Jones), sabe se o caso era fraco ou forte em bases factuais - ele sabia e sabe se ele se expôs à Sra. Jones. Mas ele não decidiu negar isso; ele não expressou indignação com a falsidade dessa afirmação, mas sim - em outro triunfo da formulação de doninha - indignação sobre a fraqueza do caso. Eu particularmente adoro aquele toque nixoniano - eles sabiam quais eram nossas evidências - a mancha insinuada de que ele tem algumas evidências bombásticas que explodiriam o caso dela ou denegririam sua reputação, evidência que de alguma forma nunca apareceu, não é? Provas que não o impediram de pagar a Sra. Jones em pânico, quando ele pensou que um tribunal de apelação poderia restabelecer o caso dela.

É nesta resposta, eu sugiro, que Bill Clinton se expõe sobre a questão de saber se ele se expôs. Expõe sua essência nixoniana. Acho que, se fosse Nixon no banco dos réus, todo liberal que agora defende Clinton se agarraria a uma resposta como essa e a chamaria de prevaricação típica de Dick Tricky, uma espécie de meta-mentira sobre a mentira. Mas porque é o Sr. Clinton, que está certo nas questões, ele consegue um passe.

Não está claro se os defensores de Clinton realmente acreditam nessa história - o fato de ele ter mentido sobre Monica, meio que prova que ele estava dizendo a verdade sobre Paula - ou apenas a adotaram oportunisticamente em prol da causa. Mas, em certo sentido, eles adotaram uma versão disso para desviar a atenção da mentira que Clinton ainda pode estar contando àquela que ele confessou quando repetem ad nauseam que ele só mentiu sobre sexo consensual. Eles estão implicitamente nos pedindo para acreditar que, embora saibamos que ele mentiu sobre Gennifer Flowers, mentiu sobre Monica Lewinsky e adquiriu o hábito de mentir sobre quase todas as outras questões difíceis sobre sua vida até que o equivalente a um vestido manchado apareceu, no entanto, neste caso, desta vez, esta afirmação mais prejudicial sobre ele, neste caso que pode realmente nos dizer quem é Bill Clinton, ele está dizendo a verdade do evangelho.

Bem, certamente torna mais conveniente pensar dessa forma, mais conveniente para os defensores de Clinton, de qualquer maneira, enquadrá-lo como um caso de inquisição puritana em um caso sexual consensual e nas mentiras contadas para escondê-lo. E eles estariam certos, se tudo o que estamos julgando é se Clinton deve ser acusado de impeachment por esse motivo, a história de Paula Jones não é material.

Mas se a Sra. Jones está dizendo a verdade e tem estado o tempo todo, e ele tem mentido sobre isso desde o início, isso é importante para quem é o Sr. Clinton. Não é a única coisa que ele é; há uma mistura de idealismo e paixão pela justiça em sua natureza, especialmente sobre raça. Mas pode ser a única coisa que ele está escondendo sobre quem ele é.

Não estou dizendo que sei com certeza que a afirmação da Sra. Jones é verdadeira ou que algum dia será provada. É uma daquelas muito - deploradas - ele disse - ela disse perguntas, não é? (Aqueles que invocam ele disse-ela disse de alguma forma sugerem que, porque não podemos provar quem disse a verdade, não importa quem disse a verdade.) E talvez acabe sendo a Sra. Jones quem está mentindo durante todo esse tempo. Talvez ela tenha perseguido essas acusações, se submetido à censura e ao ridículo como lixo de trailer, sofreu as zombarias das revistas de moda que preferem colocar a chique primeira-dama na capa como o verdadeiro modelo para as mulheres da América. (O papel de Tammy Wynette Stand by Your Man que ela uma vez deplorou tão esnobe.) Mas se a Sra. Jones está dizendo a verdade, eu diria que ela é um modelo muito mais admirável do que Hillary Clinton, que ela é uma mulher corajosa que sofreu uma injustiça e enfrentou o homem mais poderoso do mundo para reivindicar sua dignidade.

Quanto a mim, quando se trata de tentar decidir quem está dizendo a verdade sobre essa questão original - aquela que pode revelar ou definir quem o presidente realmente é - tenho a mesma fé que o Sr. Clinton está dizendo a verdade sobre sua definição enquanto faço a pergunta de que Nixon estava dizendo a verdade sobre a dele. Vamos encarar, isso é quem Bill Clinton realmente é: ele é o nosso Nixon.

Artigos Interessantes