Principal Entretenimento Dani Filth reflete sobre seu clássico Black Metal, ‘Dusk ... And Her Embrace’

Dani Filth reflete sobre seu clássico Black Metal, ‘Dusk ... And Her Embrace’

Dani Filth.Cortesia de Cradle of Filth



Eles podem ser lendas do metal hoje, mas em agosto de 1996 o ultrajante Cradle Of Filth ainda eram relativamente iniciantes quando eles desencadearam Crepúsculo ... e seu abraço.

O grupo se formou em 1991, e depois de lançar três demos, fechou um contrato com a Cacophonous Records que produziu dois lançamentos que, embora apresentassem muita ferocidade, não tinham o sabor gótico exuberante que veio com seu lançamento icônico. Crepúsculo ... e seu abraço . Esse segundo álbum completo se tornaria sua estreia para o Music For Nations e uma importante pedra angular de seu catálogo.

Quando ligo para Dani Filth na Inglaterra, ele acaba de terminar uma sessão de fotos com sua banda Demônio , uma aventura fora de Cradle Of Filth com uma abordagem menos frenética. O homem ainda exala a mesma paixão por sua música que ele fez quando eu o entrevistei pela primeira vez sobre Cradle Midian álbum em 2000. (Embora naquela tarde ele estivesse com uma certa ressaca das festas, então conduzimos a entrevista em um escritório escuro enquanto ele se reajustava para o dia. Um verdadeiro vampiro do metal.)

Quando observo que a ideia de passar 20 anos desde Crepúsculo primeiro saiu meio que me assusta, ele retruca com bom humor, é assustador vocês Fora?

Crepúsculo ... e seu abraço é um álbum marcante no gênero black metal por muitas razões diferentes, mas alguns estão acima dos demais.

Primeiro, ajudou Cradle a solidificar um som com sabor gótico que mais tarde os levaria a explorar diferentes perspectivas musicais além do black metal e provocar debates intermináveis ​​sobre suas credenciais de gênero. Em segundo lugar, contrariava a tendência do sabor mais beligerante e misantrópico do black metal norueguês, que havia desenvolvido uma reputação infame por incidentes isolados de assassinato e queima de igrejas. Crepúsculo As imagens fotográficas esverdeadas e as letras sombrias e românticas faziam parecer que Dani e os meninos haviam saído da Inglaterra vitoriana do século 19 e se ligado ao metal do final do século 20.

As circunstâncias que cercam a criação do álbum são impregnadas de política da indústria e questões interpessoais. A banda estava insatisfeita com a situação financeira da Cacophonous Records e seus esforços para fazer sua estreia em 1994 O princípio do mal feito carne , um esforço bom, mas não excessivo. Eles passaram um ano no tribunal tentando romper os laços com a gravadora, o que gerou atrito de todos os lados.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=mc7o4wzW128&w=560&h=315]

Não vou entrar nisso, diz Dani sobre toda a situação. Eu tenho um táxi chegando em meia hora, e ele está literalmente abrindo a caixa de Pandora porque é muito confuso sobre o que aconteceu. É realmente irrelevante. Tudo o que é relevante é que o álbum foi lançado.

Crepúsculo ... e seu abraço foi gravado duas vezes. Após o incidente com a gravadora, ganhamos os direitos de regravar Crepúsculo , lembra Dani. Como alavanca para se livrar de Cacophonous, eles lançaram V império ou Dark Faerytales em Phallustein no início de 1996. [Então] tínhamos uma nova formação que estava bem com regravar tudo [no Crepúsculo ]

Depois que a poeira baixou sobre seus problemas legais, Dani e o baterista Nicolas Barker permaneceram, enquanto os guitarristas Paul Allender e Paul Ryan, o baixista Jon Kennedy e o tecladista Benjamin Ryan partiram para serem substituídos pelos guitarristas Stuart Anstis e Gian Pyres, o baixista Robin Graves e o tecladista Damien Gregori. (Allender voltaria em 2000 para uma corrida de 14 anos.)

Somos eternamente gratos porque foi um momento decisivo em nossa carreira. Fizemos meia-volta, por assim dizer. - Dani Filth.

A versão original do álbum, finalmente lançada no verão passado como Anoitecer ... e seu abraço: o pecado original , estava mais cru e na sua cara. Dani soava mais como um vocalista de black metal típico da época, a ordem das faixas era diferente e o álbum estava privado do que se tornaria a peça central do álbum, o som grandioso e sinfônico Malícia através do espelho, que se tornou um pilar de concertos. O abridor de álbum original Supremacia Noturna acabou vindo à tona no V império EP.

Embora a versão original do Crepúsculo (gravado por volta do Natal de 1995) tinha bastante energia e vigor impulsionando-o, a versão 2.0, produzida por Kit Woolven (conhecido por seu trabalho com Thin Lizzy), soou mais forte, os gritos de Dani ficaram mais distintos (ele afirma que foi devido a uma melhor produção) e, sim, os valores de produção eram mais espertos. Enquanto tinha sido de rigueur para que as bandas de black metal produzissem gravações de som metálico e low-fi que lhes conferissem credibilidade junto a apoiadores ferrenhos do underground, o Cradle queria soar grande. E eles queriam fazer o que fosse necessário para alcançar esse som. Cradle of Filth.Wikimedia Commons



Ele nos deu uma qualidade de trilha sonora, observa Dani de Woolven. Um som realmente exuberante e realmente produzido, pelo qual somos eternamente gratos porque foi um ponto de viragem em nossa carreira. Demos meia volta, por assim dizer.

Há muita coisa bombástica bombardeando o álbum, mas Malice Through The Looking Glass apresentou teclados sinfônicos que aumentaram a majestade da música. O uso dos vocais fantasmagóricos de Sarah Jezebel Deva adicionou uma dimensão extra a Funeral In Carpathia e à faixa-título multi-tempo. A faixa final, Haunted Shores, apresentou uma invocação falada do vocalista do Venom, Cronos, sobre uma base sem guitarra de bumbo duplo e sintetizadores. Variando os tempos e a dinâmica ao longo da música deu um impulso extra e maior profundidade. A edição limitada da versão Coffin Box incluiu a instrumental Carmilla’s Masque e um cover de Slayer’s Hell Awaits.

Mesmo com essa expansão sônica, o mundo ainda estava tentando lidar com seu som.

Dani relembra a turnê Gods Of Darkness em 1997 que Cradle foi encabeçada por Dimmu Borgir, Dissection e In Flames. Fizemos 23 shows em toda a Europa, ele lembra com carinho de uma época em que o movimento do metal extremo estava em sua infância. As coisas crescem e toda a turnê In Flames / Dimmu / Dissection se torna lendária. Eles eram grandes shows, mas não eram enormes. Se fizéssemos agora, estaria esgotado em um minuto.

Houve também os momentos Spinal Tap. Também fizemos uma turnê com o Emperor [em 1993] e tocamos em Edimburgo para quatro pessoas. Não acho que ele [dono do clube] anunciou o show, porque no dia seguinte tínhamos 200 pessoas [em outros lugares]. Você diz isso para as pessoas agora, e elas dizem: ‘Não, você está mentindo!’ Dani Filth.Wikimedia Commons

Os elementos visuais que têm uma forte ligação com a experiência do Cradle também floresceram em Crepúsculo ... e seu abraço . Os fotógrafos Simon Marsden, Salvatore e Chris Bell forneceram as imagens sinistras que invocaram os filmes de terror Hammer, em colaboração com o diretor de arte Nigel Wingrove, um cineasta de terror de baixo orçamento que fundou uma distribuidora de filmes de culto Filmes de redenção em 1992 e posteriormente defendeu o trabalho de gênero de diretores como Jean Rollin, Pete Walker, Jess Franco e Dario Argento. Os modelos que eles usaram para Crepúsculo faziam parte da cena gótica em que Dani e esses artistas estavam imersos na época.

Na verdade, estou sentado a duas portas de distância do Slimelight , que é um clube gótico muito famoso, comentou Dani durante nossa entrevista.

Vinte anos atrás eu costumava ir àquele lugar - ainda está aberto - e todas as próximas garotas estavam na cena da festa, no estúdio, em couro, lycra, náilon. Muitos deles acabaram em nossas camisas [da banda] ou em nossas camas, como é o caso do nosso baterista, já que ele dormiu em Londres inteira. Ou principalmente no [filme de terror indie] Cradle Of Fear . Muitas dessas pessoas acabaram em empregos relacionados a isso. Por exemplo, Emily Booth apresenta o Horror Channel na Inglaterra agora, que está em um grande canal Sky. Emma Red é uma grande modelo da moda agora. Eileen Daly era uma grande modelo da moda, ficou um pouco estranha e acabou em um daqueles programas com Simon Cowell [ fator X ]

Ao longo dos anos, Cradle of Filth, alguns detratores condenaram sua abordagem aparentemente mais comercial do black ou metal extremo - como um fã de metal old-school que protestou contra as mesmas coisas quando eu era mais jovem, eu entendi - e esses dois subgêneros provaram inerentemente não comercial quando comparado com movimentos maiores na cena. Muito parecido com a cena gótica, o mundo do black metal teve aqueles que compreensivelmente resistiram a um crescimento maior para manter a natureza insular de sua cena, e uma banda como o Cradle certamente não queria ficar mexendo no underground para sempre. Dani Filth.Fotgrafia de massa crítica

Construir um público que aprecie sua música e cena não é uma coisa ruim, embora exista o perigo de serem diluídos pela mediocridade mainstream. Black e metal extremo nunca teve que se preocupar em ter canções de sucesso reais, embora Cradle Of Filth ganhando uma indicação ao Grammy em 2005 provavelmente agitou ainda mais os puristas do gênero.

Quando alguém pensa em formar uma banda, não se imagina tocando na frente de duas pessoas, observa Dani. Em suas cabeças, eles estão dizendo, ‘Estou aqui em um grande palco’. Nós pensamos sobre as maneiras de chegar lá. Não foi fácil. Sua perseverança e visão certamente funcionaram bem para seu frontman, que tem sido a força motriz da banda desde o início.

Quando o Cradle começou, queríamos pegar a imaginação das pessoas, diz ele. Eles também conseguiram seu apoio financeiro. Não vou mentir, tenho três carros, mas não tenho um Lamborghini. Eu amo o que faço, absolutamente amo isso. Minha casa parece um cemitério vitoriano de merda ou uma ala estranha no Museu Britânico por volta de 1888.

Dani disse que o próximo álbum Cradle Of Filth, que foi escrito e está em preparação para gravação, será lançado em setembro próximo e será quintessencialmente britânico, muito terror vitoriano / gótico, e a música é um pouco parecida com Crepúsculo ... e seu abraço e Crueldade e a besta . Mais moderno, mas tem aquele toque progressivo que é como o Iron Maiden na velocidade.

O vocalista está atualmente promovendo sua outra banda Devilment, que alguns consideram um projeto paralelo, mas que ele declara ser uma banda completa agora que estão prestes a lançar seu segundo álbum, Devilment II: The Mephisto Waltzes .

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=B2P-FtGAayw&w=560&h=315]

Ele diz que se você comparasse Cradle e Devilment liricamente, seria como Byron ou Shelley comparados a Roald Dahl. Cradle tem uma vibe gótica vitoriana distinta em muitas de suas músicas, mas Devilment - cujo novo álbum oferece músicas mais mid-tempo, alguns vocais femininos e títulos de músicas como Hitchcock Blonde e Father Dali - faz mais uma referência ao moderno; pelo menos meados do século XX. Os membros da banda têm idades entre 28 e 43 anos, e suas influências diferem das da banda original de Dani.

Cradle Of Filth mantém Dani Filth muito ocupado, e ele tem outras responsabilidades pessoais também, mas seu desejo de criar o manteve envolvido com Devilment.

Eu tenho esposa, filha, casa, carros e as merdas de sempre que vem junto, ele fala sobre sua vida. Eu tenho que cortar a grama, etc. Mas, ao mesmo tempo, tenho tempo livre. E eu não jogo golfe como Alice Cooper, então vou continuar. Não sei quanto tempo vai durar, mas posso dizer que o novo álbum do Devilment é brilhante. Eu amo isso. A reação foi literalmente incrível. Não preciso me preocupar com isso porque tenho outra banda, mas estou satisfeito porque sei que é bom e lentamente as pessoas estão começando a fazer isso.

Isso soa como o amanhecer do Cradle novamente.



Artigos Interessantes