Principal Televisão Resenha do 'Demolidor': Uma terceira temporada mais profunda parece por trás de sua máscara de herói

Resenha do 'Demolidor': Uma terceira temporada mais profunda parece por trás de sua máscara de herói

Marvel's Temerário autoriza o navio na 3ª temporada.Patrick Harbron / Netflix



Matthew Murdock (Charlie Cox), o herói titular do Netflix Temerário , é consumido pela raiva. E por que ele não estaria? Seus modos de vigilante corroeram suas amizades e envolvimentos românticos, destruíram seus sonhos nobres de uma carreira de advogado e quase o mataram mais vezes do que o dublê de Cox gostaria de lembrar. O personagem realmente deve estar morto depois que um prédio caiu sobre ele em Os defensores . Mas como a Marvel nunca rejeita uma oportunidade de sacar um cheque, uma cena pós-crédito revelou que ele está de fato vivo - embora longe de estar bem quando o alcançamos. No início da nova terceira temporada, descobrimos que a pior coisa que nos aconteceu pode realmente ser a única coisa que nos faz continuar.

Chegamos a um estágio na invasão do Netflix da Marvel no qual podemos dizer com segurança que a maioria das séries são ... problemáticas. Temerário desfrutou de uma corrida de estreante surpreendentemente boa e, embora os fãs tenham tido alguns momentos individuais realmente excelentes em Jéssica jones , Luke Cage e O castigador (Vou deixar de fora Punho de ferro ), nenhum dos esforços subsequentes conseguiu coalescer totalmente. Na melhor das hipóteses, as ofertas do Netflix da Marvel são grandes em escopo, mas de estatura plana.

Mas Temerário A terceira tentativa evita as tentativas tímidas de se conectar ao universo cinematográfico Marvel (MCU) maior, ou fornecer um piloto de backdoor para um novo spinoff (olá, Frank Castle) ou desenvolver um inimigo místico ridículo. Em vez disso, ele se concentra em chutar traseiros e anotar nomes. Com Temerário aguçado a ponto de poder rivalizar com o sai de Elektra, as coisas estão indo muito bem.

Assine o Boletim Informativo de Entretenimento do Braganca

Os primeiros seis episódios da 3ª temporada mostram Matt um homem quebrado, tanto física quanto emocionalmente. Devido ao seu extenso Defensores -relacionados com lesões, suas habilidades especiais estão em fritz. Sem seu alter ego do Demolidor, ele é uma alma perdida. Mas aquela velha fúria familiar é um motivador poderoso. O que quase o matou também o traz de volta à terra dos vivos. Há algo nuançado e fortalecedor sobre a ideia de que nosso comportamento mais autodestrutivo também serve como nossa salvação.

Matt lutou contra as consequências de seu Demolidor durante a execução do show e, às vezes, foi cansativo. Mas vê-lo fazer isso em um estado de reflexão tão profundo, questionando sua vida e Deus enquanto enfrenta sua natureza violenta, soa mais genuíno. Um cara que se veste com uma fantasia à noite para socar criminosos deve tenha alguns parafusos soltos, e nesta temporada não se intimide em pintar nosso herói como o idiota um tanto louco e egocêntrico que ele é. Ele é vulnerável tanto na mente quanto no corpo, o que também ajuda a aumentar a aposta da ação, que é abundante. A sequência de ação e tomada de controle da temporada 3 está à altura de seus predecessores.

O contrapeso de Matt nesta temporada é mais uma vez Wilson Fisk (Vincent D’Onofrio), indiscutivelmente o maior vilão já produzido pelo MCU. D'Onofrio enaltece cada cena em que está - há algo perigosamente atraente em seu personagem. Sua voz rouca é poderosa sem nunca se tornar irritante, sua estatura é imponente e condiz com um personagem de quadrinhos que atende pelo nome de Kingpin. Suas tramas e manobras maquiavélicas são uma delícia de se ver se desenrolar; todo mundo adora um gênio que é sempre a pessoa mais inteligente na sala. Assim como Matt é movido por sua falha mais evidente e por sua maior força, Fisk também é. Seu senso de superioridade supera até mesmo o mais presunçoso dos professores universitários. Ele não está sozinho este ano, também - muitos dos primeiros seis episódios são dedicados ao seu recrutamento gentil de um personagem que os fãs de quadrinhos reconhecerão (alguém que é um contraponto físico digno para o Demolidor). Juntos, esses adversários representam um perigo claro e presente - nenhuma construção de mundo estranha e nenhum ridículo exagerado. Vemos o que eles querem fazer e testemunhamos nosso herói tentando impedi-los. A ação voa até você como um dos camaradas mais superpoderosos do Demolidor.

Esta última parcela da série não é perfeita. Karen (Deborah Ann Woll) permanece um buraco negro de exposição, paralisando cada cena para funcionar como uma substituta do público. Sem ser por culpa de Woll, sua personagem está mais uma vez lá apenas para gritar de medo ou explicar algo que os espectadores precisam saber - Siri tem uma função superior que ela. Enquanto isso, Foggy (Elden Henson) tem uma trama secundária que não parece estar indo a lugar nenhum. Talvez precise de mais tempo para ser jogado, mas os melhores gráficos B e C orbitam o final do jogo, ao passo que esses geralmente parecem estacionários. Em seu terceiro showrunner em três temporadas, Temerário também muitas vezes parece que está se reinventando na hora. Com isso, surgem dores ocasionais de crescimento e uma tendência a recorrer à fórmula.

Ainda assim, ao contrário da 2ª temporada, que alternou entre Frank Castle e Elektra tantas vezes que você pensava que estava assistindo programas diferentes, tudo está indo na direção certa. Há um fluxo linear em tudo que é focado e eficiente. Isso não significa que o programa não poderia perder o fôlego como tantas outras séries da Marvel promissoras, mas ainda falhas, na Netflix. Mas até aí tudo bem.

Nota: B +



Artigos Interessantes