Principal Filmes 'Pela Graça de Deus' de François Ozon é um dos melhores filmes de 2019

'Pela Graça de Deus' de François Ozon é um dos melhores filmes de 2019

Melvil Poupaud em Pela graça de Deus .Filmes para caixa de música



O assunto sóbrio e doentio de abuso infantil na Igreja Católica ganhou um Oscar de Melhor Filme de 2016 pelo brilhante de Tom McCarthy Holofote , sobre como o Boston Globe expôs o abuso sexual infantil na diocese católica local com ondas de choque que alcançaram todo o caminho até o Vaticano . De forma alarmante, o assunto horrível simplesmente não vai embora. O diretor francês do Ace, François Ozon, aborda novamente em Pela graça de Deus , um filme poderoso, meticulosamente pesquisado e vital sobre eventos reais que levaram a Igreja Católica na França a tribunal e mudou o futuro do catolicismo para sempre, embora o veredicto ainda esteja indeciso.

VEJA TAMBÉM: Thriller náutico ‘Mary’ is to Lost and Immobile quanto a Beached Mackerel

Alexandre Guérin (lindamente interpretado por Melvil Poupaud), um banqueiro viável e respeitado em Lyon, um bastião da religião, descobre, para seu alarme, que o padre Bernard Preynat, o padre que ele acreditava ter sido julgado, condenado e demitido por abusar sexualmente dele dos 9 aos 12 anos, quando era escoteiro católico, ainda está vivo e ensinando ativamente as crianças em Lyon, totalmente sancionado pela Igreja e protegido pelo Cardeal. Alexandre, agora na casa dos 40 anos, com mulher e cinco filhos, passou anos tentando superar os danos psicológicos e levar uma vida saudável.


PELA GRAÇA DE DEUS ★★★★
(4/4 estrelas )
Dirigido por: François Ozon
Escrito por: François Ozon
Estrelando: Melvil Poupaud, Denis Ménochet, Swann Arlaud
Tempo de execução: 137 min.


Mas os pesadelos voltam quando o Padre Preynat aparece como encarregado de crianças inocentes. Lutando contra as lágrimas e o constrangimento, Alexandre morde a bala e confessa à família para amenizar sua culpa e fazer valer a transparência, mas a psicóloga da igreja pede que ele confronte o acusado padre para acelerar o processo de cura. Na esperança de uma confissão, Alexandre marca um temido encontro com o padre de sua infância, que admite abertamente seus pecados como pedófilo, mas se recusa a fazê-lo publicamente.

O psicólogo não toma nenhuma providência, a igreja reivindica uma prescrição, um amigo de Alexandre também se recusa a testemunhar no tribunal, temendo que isso prejudique seu casamento e suscite fofocas. Até a própria mãe de Alexandre diz que aconteceu há 30 anos, então por que trazer isso à tona agora? As respostas indignadas de católicos devotos revelam camada após camada de ignorância, hipocrisia e medo. Eles não se importam muito se a igreja apóia as vítimas, protege as crianças e ignora a pedofilia, desde que séculos de dogma religioso ossificado permaneçam incontestáveis.

O cardeal está horrorizado com as evidências do passado, suprimidas por anos, e promete que a justiça será feita e novas regras entrarão em vigor, mas não faz nada, enquanto o padre acusado dos crimes continua impune. Derrotado a cada passo, Alexandre recorre a uma última opção: leva as denúncias para a imprensa e depois para a Justiça Criminal.

É uma história complexa, cheia de questões infinitas, mas Ozon é um diretor tão polido e meticuloso que encontra maneiras de manter a narrativa em movimento e o espectador absorvido. Poupaud é um ator bonito e sensível no centro, e todo o elenco oferece um apoio sólido. Como sua paixão incita outras vítimas a se apresentarem, se unam e formem uma associação para revelar seus segredos à polícia e encontrar a coragem para lutar contra uma instituição poderosa que permitiu o abuso sexual de crianças por séculos e permitiu que padres pedófilos cometessem crimes impunemente, comecei a ficar impaciente com tantas confissões.

À medida que as reuniões do grupo catalogam argumentos sobre como divulgar o caso na esperança de um julgamento criminal, o filme se torna repetitivo. É tão falante que ler as legendas em movimento rápido é um desafio próprio. Mas esta é apenas uma pequena advertência em um filme de substância e valor tão poderosos. Pela graça de Deus ainda é um dos melhores filmes de 2019.

Admiro a coragem de Ozon para abordar um assunto tão impopular, mas o resultado, de acordo com os créditos finais, continua preocupante. O caso progrediu até o Papa Francisco e mudou as leis sobre a extensão do estatuto de limitações para relatar casos de abuso sexual na Igreja Católica na França. Em março de 2019, o cardeal foi condenado a seis meses de prisão por não denunciar seu conhecimento sobre o abuso sexual de crianças. Foi suspenso. No final, o filho de Alexandre pergunta ao pai, você ainda acredita em Deus? A pergunta permanece sem resposta.

Artigos Interessantes