Principal Inovação Por dentro do primeiro videogame com receita do mundo e as crianças que eles estão ajudando

Por dentro do primeiro videogame com receita do mundo e as crianças que eles estão ajudando

Uma foto do jogo Endeavor RX, o primeiro videogame com receita. Ele será usado para tratar o TDAH.Mente



No final do mês passado, a Food and Drug Administration aprovou o marketing para o primeiro videogame de prescrição para tratar o TDAH em crianças, um jogo intitulado Endeavour RX da Akili Interactive. Esta é uma conquista monumental, mas também simboliza um impulso maior neste espaço para lidar com as dificuldades de aprendizagem que variam de TDAH ao autismo.

Endeavour RX usa uma interface de videogame para ativar o córtex pré-frontal do cérebro. O jogo integra cuidadosamente os estímulos sensoriais com desafios motores, o que ajuda a melhorar o foco através de obstáculos progressivos.

Conforme a criança progride no jogo, a tecnologia mede continuamente seu desempenho e usa algoritmos adaptativos para ajustar a dificuldade e personalizar a experiência de tratamento para cada indivíduo, disse um porta-voz da Akili Interactive ao Braganca. O jogo em si estará disponível sob prescrição e pode ser acessado em iPads e iPhones, com uma faixa etária-alvo de 6 a 12 anos.

A empresa recebeu aprovação após sete anos em desenvolvimento e conclusão de um estudo controlado, que financiou, publicado no The Lancet Digital Health Journal. O estudar acompanhou o progresso de 600 crianças e descobriu que 50 por cento das crianças aumentaram o foco cognitivo no primeiro mês e 68 por cento após o segundo mês de tratamento.

Eu projetei um servidor em torno de nossas necessidades específicas e se tornou uma fuga. Inadvertidamente, tornou-se uma ferramenta terapêutica que os terapeutas agora recomendam a seus pacientes, diz Duncan ao Braganca. É uma ferramenta para as crianças aprenderem a resolver problemas e aprender habilidades sociais em um ambiente sem julgamentos. Esse conforto extra é propício ao aprendizado para essa população.

Duncan fala por experiência própria - ele e seu filho têm autismo e descobriram que o jogo é terapêutico.

Duncan faz parceria com aliados adultos da comunidade para brincar com as crianças na plataforma. Se uma criança tem um dia ruim na escola, um adulto no servidor que é um aliado vai cavar com ela e conversar com ela, diz ele. Durante o COVID-19, foi dado um passo adiante.

A Autcraft está fazendo parceria com terapeutas que se cadastram com suas próprias contas para se encontrar com seus clientes direto no servidor, porque é um lugar seguro que se tornou parte de sua rotina existente. Não é algo que eu esperava que acontecesse, mas está caminhando para resultados positivos. Milhares de pessoas se inscreveram no servidor para esse fim, acrescenta Duncan.

Os defensores concordam que o uso do jogo tem muitos positivos na rede. Ser removido da metacognição autista, ou 'pensar sobre o pensamento' foi uma alegria e um alívio, David Hall, Diretor Executivo do grupo de defesa baseado em Olympia Life Guides For Autism disse ao Braganca. Embora videogames, realidade virtual e outras ferramentas possam trazer uma sensação de paz às mentes autistas, também ansiamos por executar um novo programa cultural: aceitação e compreensão de indivíduos autistas.

O futuro é brilhante para esta nova indústria de videogames como uma ferramenta de aprendizagem para crianças com dificuldades de aprendizagem, especialmente para o TDAH e o espectro do autismo. O tempo dirá até que ponto a indústria se expandirá.

Artigos Interessantes