Principal Política Está tudo bem se você for um republicano

Está tudo bem se você for um republicano

Eu não vou defender Kathy Griffin. Ela nem mesmo vai se defender, então eu não vou fazer isso por ela.

Ela estava errada em posar para uma foto com um objeto projetado para se parecer com a cabeça decepada de Donald Trump? Claro que ela estava. Foi uma coisa de mau gosto, além dos limites de um comportamento aceitável.

Você sabe o que mais é insípido e fora dos limites? Que tal um candidato republicano ao Congresso (agora deputado de Montana Greg Gianforte) ser acusado de agressão contra um repórter que teve a ousadia de lhe fazer uma pergunta? Ou um governador republicano (Greg Abbott do Texas) brincando sobre atirar em repórteres?

Ou, para uma comparação mais direta, que tal o roqueiro Ted Nugent sugerindo, há pouco mais de um ano, que o então presidente Barack Obama deveria se encontrar no final dos negócios por um laço?

Onde está toda a indignação quando os conservadores se comportam mal? Por que todas as resmungos e garras estão reservadas apenas para liberais que vão além do que deveriam ser os limites aceitos do discurso político?

E por que um lado consegue se comportar de maneira grosseira e não assume nenhuma responsabilidade por isso, mas o outro lado é castigado - até mesmo por seus próprios apoiadores! - quando sai da linha? Na terça-feira, o Twitterverse estava cheio de liberais informando a Griffin que ela tinha ido longe demais. Compare isso com as numerosas entrevistas de eleitores republicanos de Montana, um dia depois de Gianforte supostamente atacar fisicamente o repórter Ben Jacobs, que disse aos jornalistas que eles o apoiaram apesar de suas ações na noite anterior.

Esta coluna não é uma defesa de Kathy Griffin, mas sim um ataque ao generalizado duplo padrão que espera - e aceita - o pior dos conservadores, mas exige um comportamento mais elevado dos liberais.

E então, quando o transgressor liberal, envergonhado de todos os lados, recua, a esquerda perde novamente. Veja, quando os conservadores fazem essas coisas, eles geralmente se mantêm firmes. (Quando foi a última vez que a artista performática conservadora Ann Coulter, por exemplo, se desculpou por dizer ou fazer algo odioso?) Mas quando um liberal faz isso e, inevitavelmente, pede desculpas, a pessoa certa gargalha de alegria e triunfo. Para citar um tweet que apareceu no Twitter logo após Griffin postar seu pedido de desculpas abjeto: Quando falamos alto, a esquerda se encolhe.

É verdade. Portanto, agora, essa proeza não apenas faz a esquerda parecer grosseira e de mau gosto (o que até agora não impediu os republicanos de ganharem as eleições), mas também reforça o tema amplamente aceito de que a esquerda é fraca. E fraqueza não é uma boa aparência para um eleitorado que muitas vezes confunde bullying com força. (Caso em questão: quase 63 milhões de americanos votaram em Donald Trump.) Na política americana, você tem mais probabilidade de ser recompensado por estar errado e forte do que por estar certo e fraco.

É uma má ideia e extremamente grosseiro até mesmo brincar sobre cometer violência contra seus oponentes políticos. Ninguém deveria fazer isso, e já passou da hora de os conservadores pararem de aceitar e recompensar tal comportamento de outros conservadores.

Mas também já passou da hora de os liberais pararem de se desculpar pelo comportamento que seus oponentes conservadores adotam e praticam todos os dias. Griffin cometeu um erro, e então ela o agravou se afastando dele. Ela estragou tudo quando fez a sessão de fotos, e estragou tudo de novo quando se dobrou como uma cadeira de jardim e reforçou a tropa de que os liberais são fracos.

E não importa, neste caso, que Griffin não seja um político. Qualquer celebridade de esquerda que usar sua plataforma para falar sobre questões políticas será vista como o rosto dos progressistas. Quando as celebridades assumem esse manto, elas têm a obrigação inerente de pensar em termos estratégicos, porque não estão apenas falando por si mesmas.

Então, se você está procurando por atenção e quer fazer barulho, é melhor estar preparado para ficar encharcado.

Se você não pode aceitar isso, fique fora da piscina.

Cliston Brown é um executivo de comunicações e analista político na área da baía de São Francisco que já atuou como diretor de comunicações para um antigo representante democrata em Washington, D.C. Siga-o no Twitter (@ClistonBrown) e visite seu site em ClistonBrown.com.



Artigos Interessantes