Principal Inovação Jack Ma descarta as preocupações de privacidade de tecnologia da Europa como 'preocupações causadas por preocupação'

Jack Ma descarta as preocupações de privacidade de tecnologia da Europa como 'preocupações causadas por preocupação'

Jack Ma, fundador do Alibaba Group, em um painel na quarta-feira no Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, Suíça.FABRICE COFFRINI / AFP / Getty Images



O fundador da gigante tecnológica chinesa Alibaba, Jack Ma, não é um homem humilde. O bilionário de 54 anos de idade gosta de ser visto como uma voz moderada em convenções dominadas por ocidentais. E sua última aparição no Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, Suíça, não decepcionou.

Em um painel de Davos na quarta-feira, quando questionado sobre seus pensamentos sobre a crescente tensão sobre questões de tecnologia entre a China e o mundo desenvolvido, especialmente os EUA e a Europa, Ma surpreendeu a multidão com um diagnóstico inexpressivo ao estilo trava-língua: o Ocidente está preocupado com preocupação.

Inscreva-se para receber o boletim informativo de negócios do Braganca

Hoje, o mundo está cheio de suspeitas e preocupações. A Europa é algo que me preocupa, porque a preocupação preocupa a Europa, disse ele. Os europeus estão preocupados demais [com] privacidade e segurança.

Tendo participado de todos os WEFs em Davos, na Suíça, nos últimos cinco anos, Ma observou que as pessoas que conheceu na Europa, a maioria líderes empresariais e governamentais, eram obcecados demais por regulamentação. Todo mundo está falando sobre: ​​como podemos regular isso? Como podemos proteger isso?

Ele citou esse forte sentimento de protecionismo na Europa - bem como nos EUA - como o principal motivo de suas empresas escolherem evitar esses mercados e optar por países que abraçariam o futuro, como a África.

Isso inclui seu último esforço, um empreendimento de comércio eletrônico internacional chamado Electronic World Trade Platform, ou eWTP. O eWTP visa facilitar as importações e exportações entre a China e os países africanos com o objetivo de longo prazo de dar o pontapé inicial no próprio ecossistema digital da África. Em novembro passado, Ruanda se tornou o primeiro país africano a aderir à plataforma.

Ma deixou seu cargo executivo na Alibaba em setembro do ano passado, encerrando uma carreira de 20 anos como CEO da empresa.

Mas agora, a África parece tão nova quanto a China há 20 anos, uma terra inexplorada onde grandes interrupções tecnológicas podem acontecer virtualmente sem concorrência ou obstáculos regulatórios.

Quanto aos problemas sociais que as rupturas tecnológicas anteriores criaram para países mais maduros, Ma sugeriu que a solução pode ter que ser ainda mais tecnologia. Não há nada que possa protegê-lo, a menos que você tenha a capacidade de conhecer a tecnologia, disse ele.

Não está claro o que ele quis dizer exatamente. Talvez ele também não saiba. Quando um membro do público - que se identificou como funcionário do Google - perguntou a ele após a sessão de palco qual deveria ser o papel de uma empresa ao lidar com a reação pública de hoje contra as superpotências tecnológicas, Ma disse: Haverá uma solução para todas as preocupações que temos hoje. Dê mais cinco anos e as coisas mudarão.



Artigos Interessantes