Principal Entretenimento Crítica do filme: The Ledge dá um salto de fé e se aquece

Crítica do filme: The Ledge dá um salto de fé e se aquece

Hunnam.

livro luz no piazza

É raro ver questões difíceis e controversas exploradas em um filme narrativo contemporâneo, e The Ledge, escrito e dirigido por Matthew Chapman, não tem medo do perigo de fracasso comercial que obviamente enfrenta. Em um momento em que a maioria dos filmes não é sobre nada importante, este merece crédito por abordar temas impopulares como homofobia alimentada pela religião e ateísmo. Ele eventualmente falha, não por causa de suas ideias filosóficas, mas porque apresenta tantas delas ao mesmo tempo que mesmo um visualizador com um bloco de pontuação não consegue acompanhar.

Um jovem perturbado chamado Gavin (o ator britânico Charlie Hunnam, o protagonista original da produção original para a televisão inglesa de Queer as Folk ) pisa na camada superior de um prédio alto para cometer suicídio. Um policial chamado Hollis (Terrence Howard) é enviado para dissuadi-lo. Este não é um bom dia para nenhum deles. Gavin é um gerente de hotel que está tendo um caso infeliz com uma funcionária problemática do hotel e graduada em contabilidade chamada Shana (Liv Tyler, há muito tempo para ser uma graduanda convincente). Hollis é um católico devoto e marido leal que acaba de descobrir que é estéril desde o nascimento e de repente percebe que seus dois filhos não são seus. Gavin também tem um colega de quarto com AIDS, o que atrapalha o filme com outra questão importante para contemplar, e Shana também tem um marido fanático cristão renascido chamado Joe (Patrick Wilson), que causa problemas para todos eles.

Gavin tem um prazo. Se ele não pular até o meio-dia, outra pessoa morrerá, por motivos que não são revelados até o final. Sobre o assunto da fé, o policial pergunta ao homem na borda, você tem alguma? Isso dá ao homem branco cínico sem esperança e ao homem negro desiludido, mas espiritual, com conversa estimulante de sobrevivência, bastante tempo para criticar vários pontos de vista sobre morte, adultério, liberdade das minorias, direitos dos homossexuais e a desconfiança conquistada pela raça humana em geral. Como parceiros na borda, o conflituoso Gavin de Hunnam e os distraídos Hollis de Howard parecem mais críveis do que o resto dos personagens do filme juntos. Eles podiam facilmente trocar de lugar.

Como nenhum dos dois pode sair de cena, suas histórias são contadas em flashbacks. Vemos Shana e Joe convidando seus novos vizinhos, Gavin e seu colega de quarto gay Chris, para jantar, confundindo-os com amantes. Gavin fica furioso quando Joe menciona uma passagem da Bíblia que os condena ao inferno, e então se oferece para orar por seus pecados. É uma ruptura que se torna mais profunda quando Gavin se apaixona pela reprimida Shana, que é sexualmente insatisfeita, mas obrigada a Joe por curar seu vício em drogas. Gavin foi enganado pelo Papai Noel, a Fada do Dente e pela morte de uma filha. Deus é apenas mais um amigo imaginário. Para Gavin, Deus cria guerras, genocídios, terremotos e pragas. Para Joe, a beleza da salvação eterna é que Deus dá sentido à vida. Tudo se transforma em um debate abstrato entre a fé cega e a falha em aceitar o céu como um conceito válido sem um fragmento de evidência. Boas ideias, com certeza, para um filme melhor, mas os personagens de The Ledge existem com o único propósito de argumentar, e o roteiro é muito estreito para envolver o espectador incondicionalmente.

Sem spoilers, mas toda a conversa leva aos confrontos inevitáveis ​​entre Joe e Gavin, Joe e Shana, Gavin e Hollis, e Joe lendo o 23º Salmo com uma arma carregada na mão. Embora nenhum cenário seja identificado, o filme foi rodado em Baton Rouge, Louisiana, e a vista do rio ao fundo é claramente o enlameado Mississippi. A direção é superficial, todos os atores são bons, com exceção de Liv Tyler, que se parece menos com Ava Gardner do que o normal, provavelmente porque ela está sem maquiagem e sem graça como um osso. No elenco de apoio, gostei especialmente de Christopher Gorham no papel pequeno, mas fundamental, do colega de quarto gay de Gavin, Chris. O ateu apresenta o caso mais desafiador para o debate, mas ele é muito arrogante e tacanho para ser um verdadeiro liberal, enquanto o fanático fundamentalista declara o tipo de dogma de fogo e enxofre extremista e ódio inspirado religiosamente que o torna não apenas antipático em 2011, mas ingênuo. O único suspense em The Ledge centra-se em uma pergunta: ele vai pular ou não? Você eventualmente descobre, mas dificilmente vale a pena esperar.

rreed@observer.com

O LEDGE

Tempo de execução 101 minutos

Escrito e dirigido por Matthew Chapman

Estrelado por Liv Tyler, Charlie Hunnam, Patrick Wilson e Terence Howard

2/4

Artigos Interessantes