Principal Inovação O experimento do macaco da Neuralink levanta dúvidas de cientistas e especialistas em tecnologia

O experimento do macaco da Neuralink levanta dúvidas de cientistas e especialistas em tecnologia

Experimentos semelhantes em macacos existem há 20 anos.JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP via Getty Images



Dois anos atrás, a psicóloga cognitiva e filósofa Susan Schneider escrevi que o futuro distópico sonhado por Elon Musk, no qual cérebros humanos e computadores se fundem em um, seria suicídio para a mente humana. Goste ou não, desde então os cientistas e engenheiros que trabalham para o empresário bilionário fizeram muito progresso em direção a essa visão.

Em agosto passado, a Neuralink, startup de neurotecnologia de Musk, provou que sua interface cérebro-máquina funcionava em porcos. Durante uma demonstração ao vivo, um público viu sinais neurais em tempo real de um porco que teve um chip implantado em sua cabeça. Na semana passada, a empresa apresentou um experimento mais sofisticado, onde um macaco macaque com dois dispositivos Neuralink implantados em seu cérebro jogando o videogame Pong com sua mente.

Um macaco está literalmente jogando um videogame telepaticamente usando um chip cerebral! Musk tweetou com entusiasmo.

Enquanto os fãs de Musk aplaudiram o mais recente desenvolvimento do Neuralink. O teste gerou dúvidas e críticas de cientistas e especialistas em ética em tecnologia.

Alguns notaram que o experimento do macaco não é tão revolucionário quanto parece e que uma tecnologia semelhante existe há duas décadas. As primeiras demonstrações comparáveis ​​ocorreram em 2002, Business Insider relatado, quando um grupo de pesquisadores conseguiu fazer um macaco mover um cursor à vontade na tela de um computador, decodificando a atividade de algumas dezenas de neurônios em seu córtex motor em um sinal. As ações foram muito semelhantes às que vimos no vídeo do Neuralink.

Duvido que tenhamos dispositivos de consumo precisos e que leiam a mente em um futuro próximo, escreveu Anna Wexler, professora de ética médica e política de saúde na Universidade da Pensilvânia em um op-ed para ESTADO semana passada, observando que a neurociência está longe de entender como a mente funciona - muito menos ter a capacidade de decodificá-la.

Dito isso, os cientistas reconhecem o progresso da engenharia alcançado pelo Neuralink. Em princípio, a ideia de um macaco (ou humano) controlando um cursor não é nova. Mas a demonstração do Neuralink parece mostrar avanços técnicos significativos, particularmente em termos de sistema sem fio e número de eletrodos que parecem ter sido implantados com sucesso, disse Wexler ao Braganca.

Como aqueles pesquisadores no início dos anos 2000, Musk prevê que chips cerebrais implantáveis ​​podem um dia ajudar pessoas com distúrbios neurológicos a assumir o controle de suas vidas e, eventualmente, fundir a inteligência humana e a inteligência da máquina para criar uma espécie de superexistência. Isso pode não acontecer tão cedo, mas o hábito do CEO da Tesla e da SpaceX de divulgar a tecnologia nascente para seus 50 milhões de fãs nas mídias sociais está preocupando os especialistas em ética.

O que me preocupa no curto prazo são as alegações potencialmente falsas, disse Wexler. Os funcionários da Neuralink são cientistas e engenheiros que trabalham no desenvolvimento do que parece ser um dispositivo legítimo para fins médicos. Ainda assim, o cofundador da empresa gosta de fazer afirmações grandiosas e bombásticas sobre o potencial dessa mesma tecnologia para curar todas as doenças e permitir que os humanos se fundam com a IA.

E mesmo que a empresa de Musk tenha sucesso na frente da tecnologia, as implicações sociais mais amplas de um dispositivo cerebral de leitura de mentes são complicadas.

Embora eu esteja animado com as aplicações terapêuticas dos chips cerebrais para pessoas com problemas de movimento e memória, me preocupo com o uso generalizado de chips cerebrais no futuro, disse Schneider ao Braganca por e-mail.

Sem regulamentos adequados, seus pensamentos mais íntimos e dados biométricos poderiam ser vendidos para o maior lance, acrescentou ela. As pessoas podem se sentir compelidas a usar chips cerebrais para permanecer empregadas em um futuro em que a IA nos supere no local de trabalho.

E, no momento, testar essa tecnologia invasiva em animais atraiu o fogo de grupos ambientalistas. Macacos em experimentos neurocientíficos são mantidos constantemente com sede ou fome para coagi-los a cooperar e olhar para uma tela por horas, disse a Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais (PETA) em um comunicado enviado ao Braganca na semana passada. Experimentos semelhantes ao Neuralink já foram feitos muitas vezes antes, sempre às custas de animais cujas vidas foram roubadas e nada resultou disso.



Artigos Interessantes