Principal Política Ramadã: hora de jejuar e hora de matar

Ramadã: hora de jejuar e hora de matar

Muitos muçulmanos estão sendo chamados à violência durante o Ramadã.Wikimedia.



O Ramadã, o jejum de um mês no Islã, começou esta semana. O jejum vai durar até 5 de julho.

Este jejum, que é chamado de al Siym ou Zom no Alcorão, é um dos cinco pilares do Islã. O objetivo do jejum do Ramadã é ganhar introspecção, autoaperfeiçoamento e expiação.

1,6 bilhão de muçulmanos em todo o mundo estão jejuando. Isso é mais de 22% dos 7 bilhões de pessoas na Terra. Não está claro quantos muçulmanos realmente fazem jejum, mas mesmo que seja apenas a metade desse número, ainda é um número enorme e significativo de pessoas que passam tempo trabalhando no autoaperfeiçoamento e pedindo expiação.

Durante o Ramadã, os muçulmanos quebram o jejum todas as noites ao pôr do sol. Nossa palavra em inglês café da manhã tem a mesma origem - quebramos nosso jejum todas as manhãs depois de não ter comido a noite toda. Os muçulmanos fazem o jejum depois de não terem comido o dia todo.

No Alcorão, o jejum muçulmano original durava apenas um dia. Era paralelo ao feriado judaico de Yom Kippur, o Dia da Expiação judaico e era chamado de Ashura. Como no Yom Kippur, foi no décimo dia do primeiro mês. Ashura na verdade significa o décimo em árabe. Mas depois que as tribos judaicas da Arábia rejeitaram a mensagem de Maomé, o profeta mudou o jejum de um único dia para o jejum de um mês do Ramadã.

Essa mudança, junto com outras mudanças, foi projetada para romper com o judaísmo e aumentar a tradição na qual o Islã se baseava. E isso também explica por que a Kibla, que é a direção que se enfrenta durante a oração islâmica, deu as costas a Jerusalém e começou a rezar em direção a Meca. Foi também quando o Islã passou da oração três vezes ao dia, como fazem os judeus, para a oração cinco vezes ao dia, que é conhecida como Salat.

Para os muçulmanos extremistas, no entanto, o Ramadã é mais do que introspecção e expiação.

O ISIS está convocando os muçulmanos de todo o mundo a atacar os infiéis durante o Ramadã. O ISIS e outros terroristas veem este mês como um momento ideal para atacar o inimigo, o infiel ocidental, que abusou e atacou o Islã. Um novo vídeo foi postado por Abu Mohammed al-Adnani, o porta-voz do ISIS, conclamando os seguidores a atacar o maior número possível de alvos durante o Ramadã.

A mensagem de quase 30 minutos foi muito explícita, pedindo aos apoiadores do ISIS que avancem a causa em todos os lugares em que vivem.

Al-Adnani diz: O Ramadã está chegando, o mês dos ataques e da jihad, o mês da conquista, portanto, estejam preparados e em alerta, e assegurem-se de que cada um de vocês o gaste (Ramadã) em nome de Deus no ataque. Pedir a Deus que seja (Ramadã), se Deus quiser, um mês de calamidade para os não crentes em qualquer lugar, principalmente para aqueles soldados e partidários do califado na Europa e na América.

A menor ação que você fizer no coração deles é melhor e mais duradoura para nós do que você faria se estivesse conosco. Se um de vocês esperava chegar ao Estado Islâmico, gostaríamos de estar em seu lugar para punir os cruzados dia e noite.

Não há maneira de interpretar esses comentários a não ser como um chamado às armas para que seguidores e lobos solitários façam tudo o que puderem, como puderem, onde quer que vivam. Mas há também uma mensagem secundária, até mesmo subliminar, sendo transmitida aqui.

O ISIS está dizendo a seus seguidores que os ataques perpetrados contra o Ocidente são mais valiosos para eles do que viajar e se juntar à luta no Oriente Médio. O ISIS precisa de pessoas locais para perpetrar ataques. Eles querem que mais células independentes se desenvolvam e ataquem - exatamente como fizeram na França, na Bélgica.

O ISIS quer levar a luta até nossas costas. E eles querem fazer isso agora, durante o mês do Ramadã.

Artigos Interessantes