Principal Filmes O grande filme de terror do verão ‘Hereditário’ é estranho. E não assustador.

O grande filme de terror do verão ‘Hereditário’ é estranho. E não assustador.

Toni Collette em ‘Hereditário’Reid Chavis, cortesia de A24



Quando sua mãe de 78 anos morre, Annie Graham (a superexposta Toni Collette, outra australiana que aparece em mais filmes atualmente do que Nicole Kidman) e seu marido Steve (Gabriel Byrne) vão para uma casa em Utah que é sombria, triste, hostil e totalmente assustador. Hereditário, o longo e pretensioso thriller ocultista que se segue, ostenta o rótulo de quatro palavras no jargão dos festivais de cinema que geralmente garantem um desastre torturante: Big Hit at Sundance!


HEREDITÁRIO 8
(1/4 estrelas )
Dirigido por: Ari Aster
Escrito por: Ari Aster
Estrelando: Toni Collette, Gabriel Byrne, Milly Shapiro, Alex Wolff
Tempo de execução: 126 min.


No que diz respeito aos supostos filmes de terror, este é tão assustador quanto os Bowery Boys em Spooks Run Wild. Uma semana após o sepultamento de mamãe, Annie encontra um diário secreto que deixou para trás sobre espiritualismo. Seu túmulo está profanado, então sabemos que ela está voltando. Então as crianças ficam estranhas. Depois de cortar a cabeça de um pássaro morto, a filha de 13 anos, socialmente inepta, Charlie (Milly Shapiro) é forçada a ir com seu irmão mais velho, chapado e fumante de maconha, Peter (Alex Wolff) a uma festa onde engole algo letal e no caminho para casa ele corta a própria cabeça em um acidente de carro fatal. A já maluca Annie fica totalmente esquizofrênica.

Ai sim. Já que você perguntou, Steve tem uma figura de marido e pai, mas tudo o que ele faz é ficar vagando passivamente, parecendo catatônico.

Por meio de um membro de seu grupo de aconselhamento de luto que contatou seu neto morto com a ajuda de uma médium, Annie conduz sua própria sessão espírita e evoca Charlie do além-túmulo. As coisas ficam mais leves quando espíritos finos flutuam pela casa e o corpo sem cabeça da vovó é encontrado no sótão. Peter fica furioso e bate a cabeça contra a mesa da escola. Annie tenta destruir o livro de desenho de Charlie, mas seu braço pega fogo. Iluminada apenas por velas, a casa esquisita se transforma em um cruzamento entre A bruxa e Poltergeist, sem a emoção ou imaginação de qualquer um.

Implorado pelo distribuidor para não revelar as surpresas banais que o aguardam, direi apenas que Utah joga a porta para o Inferno e Toni Collette nunca pareceu mais perturbada e fora de controle. O diretor de primeira viagem Ari Aster a conduz através dos portões da insanidade e além, sem um único momento de arrepiar os cabelos. À medida que os incidentes na casa de Graham se intensificam, os resultados tornam-se trágicos, mas marcando mais de duas horas, Hereditário perde tanto ímpeto que não consegue distinguir entre tragédia e tédio. Contém tão poucos momentos pegos que a destruição das bilheterias parece inevitável (eu vi em um multiplex em um sábado à noite com menos de 20 pessoas na audiência) e não há nem mesmo uma recompensa de aperto na garganta obrigatória.

Termina com Judy Collins cantando a balada Both Sides Now de Joni Mitchell, que faz ainda menos sentido do que o próprio filme.

Hoje em dia, os atores não apenas aparecem em filmes ruins, eles são forçados a produzir seus próprios fracassos. Toni Collette e Gabriel Byrne co-produtores executivos Hereditário. Eles merecem o que recebem, em espadas.



Artigos Interessantes