Principal Filmes ‘The Turning’ é o filme de terror equivalente ao molho de queijo processado

‘The Turning’ é o filme de terror equivalente ao molho de queijo processado

Finn Wolfhard em A virada .Universal



A melhor coisa sobre rever o novo filme de terror PG-13 A virada é que você não precisa se preocupar em estragar o final porque ele não tem um. Apenas, mais ou menos, para.

É uma coisa estranha não incluir, já que a maioria das pessoas que contam histórias assustadoras tendem a se preocupar com essas coisas. O que o torna ainda mais peculiar é que a história tem a vantagem adicional de ser baseada na amada novela gótica de Henry James A volta do Parafuso , que tem uma conclusão perfeita e emocionalmente assustadora. Portanto, embora os caras que escreveram o roteiro estivessem começando na terceira base, eles ainda não conseguiram chegar perto de casa. (Notavelmente, o cartaz do filme declara que o filme é dos escritores de The Conjuring mas não se preocupa em mencionar que o cara que veio com Judas o Obscuro também teve algo a ver com isso.)

VEJA TAMBÉM: Filme de terror de Nic Cage ‘Color Out of Space’ tem visuais chamativos, mas não muito mais

Mas, novamente, para que o final funcione - como aconteceu de uma maneira que se afastou do livro quando foi usado na obra-prima de adaptação de Jack Clayton em 1961, Os Inocentes - algumas coisas devem estar no lugar. Para começar, você precisa de personagens perfeitamente representados, relacionamentos ricamente complicados e um enredo envolvente. The Turning, dirigido por Floria Sigismondi (que escreveu e dirigiu 2010's Os fugitivos ), não tem nenhuma dessas coisas. Como uma sequoia que foi derrubada, despolpada e transformada em estantes de papelão, o filme pegou algo potencialmente magnífico e criou mais um produto profundamente genérico que mal é útil mesmo para os menos exigentes entre nós.

Não é apenas Henry James que sofre durante a transformação.


A GIRO - 1/2
(0,5 / 4 estrelas )
Dirigido por: Floria Sigismondi
Escrito por: Carey W. Hayes e Chad Hayes (roteiro); Henry James (novela)
Estrelando: Mackenzie Davis, Finn Wolfhard, Brooklynn Prince e Barbara Marten
Tempo de execução: 99 min.


Mackenzie Davis, tão singular, forte e difícil de definir em Pare e pegue fogo ou o ano passado injustamente esquecido Terminator: Dark Fate, é outra vítima. Como Kate, a famosa governanta sitiada da história que se vê com um show infernal (literalmente) dando aulas particulares a um casal de patifes pálidos e talvez possuídos em uma casa assombrada, Davis se torna apenas mais uma rainha dos gritos trêmula e de olhos úmidos. (Por razões que nunca ficaram claras, o filme foi atualizado para a primavera de 1994, um fato cuja única relevância parece ser que o filme começa com uma reportagem sobre o suicídio de Kurt Cobain.)

E pobre Finn Wolfhard. O Coisas estranhas ator não consegue encontrar muito a ver com Miles, o adolescente encrenqueiro aparentemente psicótico que foi despojado de todas as cores e sombras. A atriz britânica Barbara Marten é toda repreensiva e severa e olhos de Marty Feldman como a governanta desaprovadora, Sra. Grose.

Apenas The Florida Project O Brooklynn Prince consegue sair ileso do processo. Ela traz um naturalismo brincalhão para Flora, o diabinho das trevas. Se ela continuar assim, ela é a Margaret O’Brien desta geração.

Por sua natureza, a história requer ambigüidade, mas além de seu final em aberto (leia-se: inexistente), esta narrativa elimina a existência de qualquer coisa dessa natureza. Ele dá passos de bebê em direção à relevância social, destacando as razões pelas quais algumas mulheres permanecem em situações profissionais abusivas, uma questão que é ainda mais complicada pelos sentimentos protetores de Kate em relação aos filhos. E o filme traz o espectro do abuso sexual e até do estupro. Mas A virada descarta esse exame quase tão rapidamente quanto o traz à tona.

Em vez disso, ele se acumula nos sustos rápidos e repentinos que são a moeda do reino para o Conjurando filmes e outros filmes de terror do mercado de massa. De grasnados de corvo a correntes de ar uivantes e tábuas de assoalho rangendo, até mesmo o design de som parece enlatado ou, neste caso, cortado do antigo disco da Disneyland Sons arrepiantes e emocionantes da casa mal assombrada LP.

Acredite ou não, A virada começou a vida como um projeto potencial de Steven Spielberg, que se o roteiro fosse parecido com o que temos aqui, seria o equivalente cinematográfico de Jacques Pépin trabalhando em um Arby’s. (Em vez do Salvando o Soldado Ryan (maestro é listado como produtor executivo). Este é um filme de terror como molho de queijo processado - nem mesmo o mais talentoso dos diretores poderia ter criado algo único ou pessoalmente expressivo, dados os limites de suas intenções e sutilezas.

Mas pelo menos Spielberg teria insistido que os escritores inventassem algum tipo de final - ou um começo, aliás. Pensando bem, isso também não fazia muito sentido.

Artigos Interessantes