Principal Televisão Por que suas escolhas no episódio interativo ‘Black Mirror’, ‘Bandersnatch’, não importam realmente

Por que suas escolhas no episódio interativo ‘Black Mirror’, ‘Bandersnatch’, não importam realmente

Asim Chaudhry, Will Poulter, Fionn Whitehead em ‘Bandersnatch’.Netflix



Após meses de especulação, o Espelho preto O episódio ‘escolha sua própria aventura’, chamado Bandersnatch, apareceu no Netflix no último sábado. Apesar do fato de que o entretenimento interativo é mais popular hoje do que nunca, a abordagem do escritor Charlie Brooker sobre o meio se destaca do grupo. Não só é diferente de tudo que você já viu neste meio, mas também faz você pensar de maneiras que apenas um show tão sombrio e existencial quanto Espelho preto posso.

Bandersnatch permite que você entre na pele de Stefan Butler (Fionn Whitehead), um jovem desenvolvedor de jogos neurótico que procura adaptar seu romance de fantasia favorito para escolher seu próprio videogame de aventura. Lutando para cumprir seu prazo, Stefan se torna consciente do fato de que está sendo controlado por uma força externa (é aí que o público entra) e, conforme começa a questionar sua própria vontade, nós também.

Assine o boletim informativo de entretenimento do Braganca

No início do episódio, os espectadores tomam algumas decisões simples e inofensivas para Stefan, como o que comer no café da manhã e a música que ele ouve. Mas, à medida que a história avança, as escolhas se tornam uma questão de vida ou morte, tanto literal quanto metaforicamente. Embora o elemento interativo seja bem pensado e proporcione uma experiência de visualização única, sua execução é - como esperamos de Espelho preto —Muito simples.

De maneiras sutis e complexas, Bandersnatch subverte nossas expectativas do que uma história interativa deveria e poderia ser. Por exemplo, depois de tomar uma decisão importante, a história pode chegar a um fim abrupto, declarar que você escolheu a escolha errada e redefinir a cena para permitir que você faça a escolha certa. Em outro lugar, você é forçado a decidir entre duas opções aparentemente idênticas. E em outro momento, você faz sua escolha apenas para ter Stefan, ciente do fato de que outra pessoa está guiando sua mão, resistindo ativamente a fazer o que você disse a ele para fazer.

Para qualquer pessoa familiarizada com o cinismo inabalável que permeia toda a série, Bandersnatch não deveria ser uma surpresa. Quando o episódio foi provocado pela primeira vez, vários meses atrás, muitos estavam céticos de que pudesse realmente funcionar, e por um bom motivo. Por um lado, que melhor série para anunciar a era do entretenimento interativo do que Espelho preto ? Por outro lado, de que adianta fazer uma escolha em um programa que evidentemente não acredita no livre arbítrio?

Uma das marcas registradas de Brooker como escritor é sua visão pessimista da agência humana, o poder que as pessoas têm sobre suas próprias vidas. Nosso destino, afirma ele, foi decidido por nós pelas forças da sociedade que, sem nome e sem rosto, não podem ser negociadas. Em Bandersnatch, essa ideia é personificada por Pax, o antagonista demoníaco do jogo, que Stefan chama de 'ladrão do destino'.

E assim, se o livre arbítrio é uma ilusão, então ‘Bandersnatch’ não é realmente uma plataforma onde você pode escolher sua própria aventura, afinal. No início do episódio, pode parecer que você está no controle, mas leva apenas cerca de cinco minutos para perceber que está indefeso. Assim como Stefan está à sua mercê, você está à mercê de Brooker, que cuidadosamente programou todos os caminhos do episódio para bagunçar sua cabeça - e nunca deixa passar a oportunidade de lembrá-lo disso.

Artigos Interessantes