Principal Política As coisas seriam realmente diferentes se Hillary Clinton fosse presidente?

As coisas seriam realmente diferentes se Hillary Clinton fosse presidente?

O então candidato republicano à presidência Donald Trump e a candidata democrata Hillary Clinton apertam as mãos após o debate presidencial na Hofstra University em 26 de setembro de 2016 em Hempstead, Nova York.Imagens Drew Angerer / Getty



À medida que 2017 se aproxima do fim, quão diferente poderia ter sido o ano passado se Hillary Rodham Clinton tivesse sido eleita 45º presidente dos Estados Unidos? Claramente, onde alguém está na escala política define esta resposta hipotética. No entanto, a tragédia é que a condição altamente polarizada, divisionista e perniciosa da política americana sugere que não importa o quão impopular o presidente Donald Trump seja hoje, um presidente Clinton pode não ter sido muito melhor recebido.

Para os republicanos, Clinton teria sido uma catástrofe. Em sua opinião, a América teria continuado a trilhar o caminho desastroso do presidente Barack Obama. Obamacare teria sobrevivido. Não teria havido cobrança de impostos. Com um Congresso republicano, a Suprema Corte permaneceria em um impasse 4-4, pois o Senado não confirmaria sua nomeação. Pandering às minorias e grupos de interesses especiais, que é uma prioridade democrata, teria dividido ainda mais a nação.

A política externa seria igualmente ruim sob o presidente Clinton, que teria se recusado a assumir posições duras contra a Coreia do Norte e Kim Jung Un, preferindo seguir a política fracassada de paciência estratégica. A OTAN continuaria a ser um piloto livre, com os EUA ainda arcando com a maior parte dos gastos com defesa. Jerusalém não teria sido reconhecida como a capital de Israel. O Estado Islâmico permaneceria no controle de grandes fatias de seu califado no Iraque e na Síria. A China continuaria a manipular o comércio e a moeda e expandir sua influência ainda mais.

Em suma, Clinton teria tornado o pântano de Washington e o estado profundo ainda mais profundo e perigoso para o público americano. A livre iniciativa seria menos livre. E os ganhos do mercado de ações e do desemprego do ano passado nunca teriam ocorrido.

Os democratas, é claro, teriam defendido o caso absolutamente oposto. Em casa, a regulamentação teria permanecido a única forma de governar, dado um Congresso dedicado a garantir que o presidente Clinton fosse um presidente-executivo por um único mandato. O impasse total em ambas as extremidades da Avenida Pensilvânia teria dado a Clinton a oportunidade de usar o poder executivo como o único meio de defender as classes média e baixa contra os ricos. Seus nomeados como juízes federais teriam refletido esse enfoque. Quando o Senado se recusou a confirmar o juiz associado da nona Suprema Corte, essa negação deu à Casa Branca o púlpito agressivo para atacar os republicanos. A presidência de Hillary Clinton seria muito diferente?JEWEL SAMAD / AFP / Getty Images



Na política externa, Clinton teria apenas ameaçado se retirar da Parceria Transpacífica (TPP), em vez de negociar mudanças que fossem aceitáveis, diminuindo assim a influência da China na Ásia. Como demonstrou sua posição enérgica que levou à intervenção americana sobre Kosovo em 1999, quando seu marido era presidente e em 2011 na Líbia, Clinton teria sido muito mais dura com o Estado Islâmico e a Rússia. Ela teria acabado com o califado muito antes e reunido as nações árabes e muçulmanas de forma mais eficaz contra os radicais islâmicos. Como mulher, ela teria pressionado a Arábia Saudita e o jovem príncipe herdeiro com muito mais força em direção à modernização. Ela também não teria ignorado a interferência russa nas eleições americanas. O presidente Vladimir Putin teria muito mais dificuldades e não seria capaz de encantar Clinton como fez com Trump. Ainda assim, Clinton não era muito popular, com classificações favoráveis ​​na faixa de 40%.

Claro, ninguém sabe o que uma presidência Clinton teria feito para mudar no ano passado. Algumas observações são relevantes. Em casa, a bolsa de valores teria subido e o desemprego continuaria baixo, independentemente de quem fosse o presidente. Ambos são mais afetados por forças de longo prazo do que as eleições presidenciais, que quase sempre têm pouco impacto de curto prazo na economia. Sem dúvida, Clinton teria cancelado o TPP.

Mas ela teria permanecido no Acordo de Mudança Climática de Paris e no acordo nuclear com o Irã, que pode vir a ser dois dos erros mais prejudiciais cometidos por Trump ao se retirar e cancelar a certificação. Sobre o Estado Islâmico, todos os indícios sugerem uma postura muito agressiva. Sobre a Coreia do Norte, a diplomacia teria desempenhado um papel mais forte. E o melhor (e talvez o único) benefício de Clinton seria o fim da política por tweet.

Dada a explosão de casos de má conduta sexual, o ex-presidente Bill Clinton teria sido mais do que um constrangimento e uma fonte contínua de controvérsia. A investigação russa não teria se concentrado em Trump, mas na interferência russa. E era possível que Trump pudesse ter entrado com um processo questionando a legitimidade da eleição.

Tudo isso é especulação. Clinton não venceu. Trump fez. A triste conclusão é que nenhum dos dois pode ter tido as coisas certas para se tornar um presidente eficaz e unificador.

O Dr. Harlan Ullman é presidente de duas empresas privadas; conselheiro sênior do Atlantic Council e Business Executives for National Security. Seu último livro é Anatomia do fracasso - Por que a América perde todas as guerras que começa . Ele é @harlankullman.

Artigos Interessantes