Principal Entretenimento Zero Stars: 'Porto' de Anton Yelchin é uma carga pretensiosa de lixo

Zero Stars: 'Porto' de Anton Yelchin é uma carga pretensiosa de lixo

Lucie Lucas e Anton Yelchin em Porto .Kino Lorber

Anton Yelchin, o jovem ator americano nascido na Rússia que fez barulho aos 11 anos ao lado de Anthony Hopkins em Corações da Atlântida, passou a papéis de destaque em dois Jornada nas Estrelas filmes, e morreu tragicamente no ano passado quando seu Jeep Cherokee escorregou por uma entrada íngreme de ré e o esmagou, agora enfrenta mais azar, postumamente, com o lançamento de seu último filme, uma carga pretensiosa de lixo feito em Portugal que deveria ter foi enterrado em um cofre trancado sem uma chave.

Yelchin interpreta Jake, um errante perdido de 26 anos afastado de sua família e que vive em uma cidade perto de Lisboa de onde o filme recebe o título. Jake não tem foco. Ele se move vagabundeando, fazendo biscates e lendo. Em um café aberto a noite toda encontra Mati, uma estudante francesa de 30 anos que passou algum tempo em um manicômio e agora está tendo um caso com um professor muito mais velho que conheceu enquanto estudava na Sorbonne. Ela é uma cifra sedutora de uma personagem que ninguém se dá ao trabalho de explicar, interpretada por Lucie Lucas, uma atriz terrível com um sotaque não identificável que clama em desespero por legendas. Por motivos que nunca são explicados, Jake e Mati caem no saco (ou, para ser sincero, um colchão sujo no chão) e fazem sexo tão gostoso que desmaiam e começam a citar Proust. Na manhã seguinte, ela o deixa nu e desolado, nunca querendo vê-lo novamente. Ela se casa com o professor barbudo e tem um filho.

Os anos passam. Ela é divorciada, sua filha é um prodígio musical que toca violino. Parece que eles se encontram e caem no saco novamente, mas como a direção laboriosamente (por alguém exigindo anonimato chamado Greg Klinger) e a escrita paralisada (por Larry Gross) deixam claro, todas aquelas cenas de orgasmos falsos são repetições de fantasia do passado. O filme muda e abala seu caminho por uma miríade de fusos horários. Cenas inteiras são repetidas com metades de frases faltando sem nenhum propósito, exceto para entediar todo mundo até as lágrimas . Felizmente, nenhuma cena dura o suficiente para desenvolver o personagem ou mover a narrativa. É um exemplo típico do tipo de filme vazio e estúpido que é feito atualmente por diretores que acham interessante assistir duas pessoas andando pela rua carregando caixas.


PORTO
(0/4 estrelas )
Dirigido por: Gabe Klinger
Escrito por: Larry Gross e Gabe Klinger
Estrelando: Anton Yelchin, Lucie Lucas,Paulo Calatré eFrançoise Lebrun
Tempo de execução: 76 min.


Para o diálogo, veja isso. Ela: Cada palavra que dizemos um ao outro e cada gesto que fazemos deve ser exatamente do jeito que está. Ele: Vou te contar a parte realmente esquisita - não parece uma questão de escolha.

Essa bagunça é ainda mais tola por causa de uma trilha sonora terrível com música de piano ruim que soa como um estudante de música iniciante tocando escalas. Talvez Anton Yelchin tenha feito escolhas excêntricas. De que outra forma você explicaria se envolver em um filme tão inconseqüente? Famoso por seu charme doce com cara de bebê, ele nem mesmo se parece com o que era antes. Pálido, magro e anêmico, com a linha do cabelo diminuindo para um formato de V e vincos ósseos afiados onde as maçãs do rosto costumavam ser, ele não parece nada bem. Talvez tenha sido o roteiro. Mas simplesmente tudo sobre Porto é tão alarmante que beira a esquizofrenia.

Artigos Interessantes